quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Natura mater


Natura mater

Fito ao longe o horizonte... É-me tão lindo...
Erguendo voo as aves vão-se embora
na cor do sol que se perde na aurora;
nos ventos que de longe me vêm vindo...

Não fecho os olhos, o distante agora
parece-me tão perto, daqui brindo
a natureza tão bela sorrindo
no extremo azul de céu que me namora.

Logo cai o clarão da noite erguida;
nos arvoredos a calma solene...
Nas suas horas a lua encanta a vida,

beleza esfíngica... Há quem lhe condene!
- Ó Diva, ó Natureza que me abriga,
a minh'alma à tua ausência se desliga...


Daniel C. B. Ciarlini
Parnaíba, oito de julho de 2009.

Um comentário:

Rommel Werneck disse...

Espero que tudo esteja bem por aqui... vou demorar a voltare, não há problemas em atrasarmos a coletanea,. mas me enviem os textos da exposição ate dia 31