terça-feira, 28 de dezembro de 2010

LUZ SEM LUZ


LUX SINE LUCE
 
 

Ah! Luz libidinosa que irradia
E atormenta por ser inacessível.
Este meu sonho tão puro e impossível
É a mais amarga e doce fantasia!


Esta imagem divina e inesquecível,
Pesadelo terrível, poesia...
A beleza na luz sem luz horrível,
Eis a perfeita dor: quanta agonia!


Esta luz! Esta noite! Esta tristeza!
Tudo isto me levando a uma paixão,
Pois desde que vi esta luz beleza


Nunca mais conheci a vida, a razão!
Luz sem luz, impureza da impureza,
Esta luz que se chama escuridão!


Rommel Werneck 

5 comentários:

Lord Rommel Werneck disse...

Imagem extraída de http://ssacramento.blogs.sapo.pt/80963.html

Eu não ponho esta nota no corpo da postagem para não desformatar tudo.

Edir Pina de Barros disse...

Belíssimo, Lord! Bjs

Lord Rommel Werneck disse...

Obrigado pelo elogio aqui e na escrivaninha

Hilton Valeriano disse...

As contradições do homem...as dilacerações da verdade...Grande poema, bardo!

Flá Perez (BláBlá) disse...

que triste esse, poeta!

bjbjbj