domingo, 29 de maio de 2011

TÚMULO - NARCISO ARAUJO

TÚMULO

Um dia a morte, cega, inquebrantável, treda,
que distribui o frio a cada sepultura,
com esse frio há de vir, vagueando, à procura
de teu seio floral, de teu corpo de seda.

Ela há de ir, caçadora impiedosa e segura,
cega, mas sem errar, pela única vereda
que a ti se vai, por essa estrada azul de leda
que eu de sonhos junquei e o meu sonho emoldura!

Então, nessa hora fria, ó minha divindade,
dos meus sonhos farei um caixão branco e leve,
perfumado de amor, orvalhado de saudade,

e em versos alçarei o teu caixão bonito,
para guardar teu corpo – imaculada neve –
no seio de uma estrela, a luzir no infinito...

Narciso AraujoPoesias, 1ª Série, Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1942. (págs. 128 e 129). Extraído da 2ª parte (poemas escritos entre 1916 e 1930). Poeta simbolista do Estado do Espírito Santo, nasceu em 6 de agosto de 1877 e faleceu em 16 de abril de 1944. Viveu parte da vida no Rio de Janeiro, onde, foi aluno exemplar do Colégio Pedro II. Trabalhou no Rio de Janeiro até sanar as dívidas comerciais de seu pai. Voluntariamente, se exilou, após, sanadas as dívidas, sendo até Deputado do Congresso Estadual do Espirito Santo, onde sua consciência ficou desiludida. Após, regressou para sua cidade Natal: Cachoeiro do Itapemirim, no seu tempo uma pequena vila, vivendo uma vida simples e poética. Recebeu em vida o título de Príncipe dos Poetas Capixabas. É conhecido em nossa Literatura como: o solitário do Itapemirim. Um dos maiores sonetistas do Brasil. Foi amigo de Raul Pederneiras, Félix Pacheco, Cruz e Sousa, Nestor Victor e outros grandes poetas de seu tempo.