segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Quase pentâmetro iâmbico







FRACOS E FINOS
 

Estes teus braços tão fracos e finos,
Tão leves, tão sublimes, tão perfeitos!
Seres mortos, terríveis, cristalinos,
Tão calmos, tão serenos e desfeitos...


Estes teus braços tão finos e fracos,
Tão tristes, tão funéreos, tão cansados!
Corpos cândidos, mil vezes opacos,
Tão rudes, tão simplórios, tão malvados...


Tão temerosos são esses destinos,
Tão belos, tão mortais, fracos e finos,
Tão tão pálidos, tão livres, tão frios...

Tão magros, tão vazios, tão sombrios,
Tão feios, tão fatais, tão macilentos,
Que me excitam em todos os momentos!


Rommel    Werneck

4 comentários:

Moda de Subculturas disse...

Acho que você escreveu esta para mim...

Moda de Subculturas disse...

"Tão tristes, tão funéreos, tão cansados!" Ó me identifiquei tanto com essa passagem rsrsrsrss!

Febo Vitoriano disse...

Hee É antigo (2009), mas tem a ver com vc

tossan® disse...

Fabuloso! Postagem de luxo. Gostei muito! Bj