terça-feira, 25 de outubro de 2011

NO FIM DA NOITE




NO FIM DA NOITE

               Good night!


No fim da noite, escorre a maquiagem,
O perfume desliza e perde o brilho,
O príncipe revela-se selvagem,
E à casa volta o pródigo e bom filho.

O meu castelo volta a ser miragem,
Transforma-se a madrinha em maltrapilho,
Desaparece a minha carruagem
E resta escura a estrada que bem trilho.


No fim da noite, a Lua desfalece...
A vida vai perdendo a florescência...
A morte vai virando mulher bela...


E parte tão veloz a Cinderela,
Embalsamada em tanta consciência,
Que nem mesmo os sapatos ela esquece!


Rommel  Werneck

2 comentários:

Derek Soares Castro disse...

Eu li este no R.L. um ótimo soneto. Obrigado Rommel. Um abraço.

mvieiraa disse...

Li e gostei! Muito bonito! Ritmado! Abraços!