domingo, 2 de outubro de 2011

TERZA RIMA II





John Singer Sargent (1856-1925) -
Young man in reverie



TERZA RIMA II


A M.P.


Se podes me trazer o horrendo luto
No eterno sofrimento desta vida
Como deve ser bom morder o fruto!


Se deixas uma vítima ferida
Por teu rancor e  sede de vingança
Quanta glória em sentir alma perdida!


Se iludes os teus homens de esperança
Fazendo sempre vis promessas vagas
Melhor o inferno me enfiar a lança


Se a beleza do mundo tu apagas
Por ofuscares tudo em teu aroma
É porque tu és uma das dez pragas


Se a tua ira a todos nós assoma
Em maldições de guerras tão supremas
Como te quero, lúbrica Sodoma!


Se rejeitas meus versos. Se blasfemas,
Se descrês no destino, em nossa sorte,
Se duvidas das flamas mais extremas,



Quisera então poder beijar-te forte!
Como queria estar nos braços teus!
Como queria deste amor a morte!
Como queria neste céu ser Deus!


Rommel   Werneck 




P.S: 
Gostaria da opinião crítica dos leitores. Eu fiz em decassílabos e oscilei um pouco entre o dec. her. e o dec. sáfico sendo esta última métrica predominante no final. Eu fiz com certa pressa a pedido do mecenas e foi dificultoso.

6 comentários:

Edir Pina de Barros disse...

Lindo Rommel! Forte! Meus aplausos!

Hilton Valeriano disse...

Já estava sentindo falta de sua poesia...essa muito intensa...uma obra prima...pensei que estavas trocando a poesia pela moda... vou publicar esse poema no Poesia Diversa...em breve...um abraço. Mecenas? humm...

Edir Pina de Barros disse...

Eu também, Hilton, senti muito a tua falta... acabaram-se as férias! Vamos dinamizar este espaço! Bjs

Febo Vitoriano disse...

Arranjei um modelo vivo, Hilton...

Febo Vitoriano disse...

Edir, se não fossem suas observaçoes, esse poema nem existiria!

Edir Pina de Barros disse...

Foram tão pequenos detalhes! Claro que existiria! Rommel, que venha com toda força essa beleza interna que existe em ti! Parabéns!