terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

INDRISAÇÃO #04 - Cruz e Sousa / Violante Montesino


Deixai que deste álbum na folha delicada
Eu venha difundir meus rudes pensamentos
Deixai que as pobres rimas, uns nadas poeirentos
Eu possa transudar da mente entrenublada!...

Deixai que de minh’alma na fibra espedaçada
Eu busque inda vibrar uns cantos tardos, lentos!...
Bem cedo os vendavais, aspérrimos, cruentos
Ai! Tudo arrojarão à campa amargurada!

Porém qu’importa isso! dos mares desta vida
Nos pávidos, estranhos, enormes escarcéus
Se alguma coisa val, és tu, ó luz querida!...

Rasguemos do porvir os áditos, os véus!...
Riamos sem cessar, embora em dor sentida!...
Também as nuvens negras conglobam-se nos céus!


Cruz e Sousa

________________________________________________________

Doce ironia

Deixai que eu lembre de nariz erguido
Rindo-me loucamente ao sepulcral
Das flores secas no frio do quintal.

Mas deixai-me das dores expungido
Deixemos que sorria o vil passado
Nos traços incubados de outras eras,

Pois há contentamento encabulado

Saboreando a dor como as panteras.


Alex Oliveira


________________________________________________________


AO AMADO AUSENTE

Se apartada do corpo a doce vida,
Domina em seu lugar a dura morte,
De que nasce tardar-me tanto a morte
Se ausente da alma estou, que me dá vida?

Não quero sem Silvano já ter vida,
Pois tudo sem Silvano é viva morte,
Já que se foi Silvano, venha a morte,
Perca-se por Silvano a minha vida.

Ah! Suspirado ausente, se esta morte
Não te obriga querer vir dar-me vida,
Como não ma vem dar a mesma morte?

Mas se na alma consiste a própria vida,
Bem sei que se me tarda tanto a morte,
Que é porque sinta a morte de tal vida.


Violante Montesino
________________________________________________________

VIDA E MORTE

Seria a morte uma coisa descabida?
Será talvez simplesmente o fim da vida,
ou decerto um pesadelo, ou mesmo um corte?

Não seria alguma coisa desejada
Pois que a vida é a esperança tão sonhada
de venturas, que nos nega a dura morte!

Mas se sofres, já não almejas a vida

E enfim sonhas que te leve a Boa Morte!


Eliana Calixto

4 comentários:

Febo Vitoriano disse...

Isso é muito importante para o indriso no Brasil e fico muito feliz com isso.

Recomendo a todos enviarem seus indrisos para o site www.indrisos.com

Nilson Barcelli disse...

Vir aqui é a garantia de ser lida boa poesia.
Parabéns aos mentores do blogue (acho que só conheço a Zélia).
Um abraço.

Febo Vitoriano disse...

Oi, Barcelli.

A Zélia participou de nosso primeiro e-book. Muito agradecido...

Eliana disse...

Agradeço sensibilizada aos criadores do BLOG a publicação da minha Indrisação do irretocável Soneto da Violante Montesino. Grata por lerem. Abraços aos Poetas e leitores.
Eliana Calixto.