sexta-feira, 30 de março de 2012

The Lonely Slayer: soneto em gaita galega



THE LONELY SLAYER


For thou (J.C.)


Ele estuprou inocentes escravos
Satisfazendo os hormônios, desejo...
E perfumou os mais flácidos cravos
Ao conceder mais um sólido beijo...


Ele matou os seus pobres escravos
Por vaïdade, vanglória, desejo...
Ele murchou os mais fúlgidos cravos
Por reclamarem um lânguido beijo...


Assassinou com sublime beleza
E sedução sem vergonha ou verdade
Todos: dos pobres até a nobreza!


E desconfio que tenha outro plano:
Aprimorar esta nossa amizade
De escravo e cravo; de amor soberano!...


17 de março de 2012


Rommel  Werneck

Nenhum comentário: