quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Inúteis Lágrimas




Inúteis Lágrimas

Doce donzela, que face serena!
Tens o brilho da Lua lacrimosa,
És tu mais inefável que uma rosa,
Mais pura que sua ternura plena.

Se soubesses como minha alma pena
E por ti vive lúgubre e chorosa,
Quiçá terias pena e, desditosa,
Verias como este amor me envenena!

Quisera merecer-te só um olhar,
Um dos teus tristes sorrisos de amor,
Ou o enlevo de um meigo suspirar!

Amo-te mais que tu possas supor,
Mais que eternamente possas sonhar,
E amar-te-ei mesmo em lágrimas e em dor...

Renan Tempest

Nenhum comentário: