terça-feira, 15 de outubro de 2013

O Fantasma

(Os fantasmas de Paolo e Francesca da Rimini
aparecem perante Dante e Virgílio – pintura de Ary Scheffer)


O Fantasma

Pálido espectro invade-me o sonhar,
E sopra em meu soturno coração
Um vento frígido, mas de paixão...
Oh! que pesar a uma ilusão amar!

E mesmo após o triste despertar,
Em delírios, na negra escuridão,
Vejo o excelso vulto e ouço uma canção
De seus lábios rúbeos a lastimar...

"Quem és, que me tornas fausto e tristonho?
Vulto de mulher, vai-te dos meus sonhos!"
Eu disse ao vertiginoso fantasma.

Ele respondeu: "Eu sou a Esperança!
Tu me amas, pois me vês! Mas não me alcanças!
Por isto ver-me te aflige e te pasma!"

Renan Tempest

Nenhum comentário: